Banda Sinfónica da PSP


Concerto de Gala

Concerto de boas vindas no Aeroporto de Lisboa


No dia 29 de Julho de 2016, a Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública, realizará um Concerto de boas vindas, no átrio das Chegadas do Aeroporto de Lisboa, pelas 10H30.

Último trabalho discográfico "An Olympic Dream"







"An Olympic Dream" é o último trabalho discográfico que a Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública gravou em 2014, e já está a ser comercializado pela firma Portuguesa «Afinaudio» e pela firma Holandesa «Molenaar» do qual se apresenta aqui alguns excertos no video promocional.
    Captação e Registo Sonoro:

"The Rise - 2351" Registo discográfico de 2013







The Rise - 2351, foi o Registo discográfico de 2013 que a Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública gravou do qual se apresenta aqui alguns excertos, e que está a ser comercializado pela firma Portuguesa «Afinaudio» e pela firma Holandesa «Molenaar».

Assim, está ao dispor dos interessados novos temas musicais, dos quais se dá uma pequena amostra nos links abaixo:


        - Adventure Island
        - Hindenburg
        - The Rise: 2351
        - Three Preludes -Part 1
        - Three Preludes -Part 2
        - Three Preludes -Part 3
        - Wind on the Hill
        - The Dam Busters
        - Deborah's Theme
        - Slavonic Dance no. 13
        - Unity in Harmony
        - Fly Me to the Moon
        - Time to say Goodbye
        - It's a Wonderful Christmas

        Captação e Registo Sonoro:

CD - "Zorro"







O CD "Zorro" é um dos trabalhos discográficos da Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública, do qual se apresenta aqui alguns excertos, está a ser comercializado pela firma Portuguesa «Afinaudio» e pela firma Holandesa «Molenaar».

Assim, está ao dispor dos interessados novos temas musicais, dos quais se dá uma pequena amostra nos links abaixo:


        - Zorro, The Musical
        - Lawrence of Arabia
        - Eloise
        - Dances With Wolves
        - The Producers

        Captação e Registo Sonoro:

Festival Internacional de Saxofone de Palmela


Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública no Festival Internacional de Saxofone de Palmela.
Ver nos links abaixo.
FISP - Banda Sinfónica da P.S.P. e Solistas
FISP 2012 QUARTONES

Banda Sinfónica da PSP na Escola EB1/JI Aprígio Gomes

Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública integrada no programa Escola Segura na Escola EB1/JI Aprígio Gomes - Amadora.
Em 24 de Fevereiro 2012.
Ver nos links abaixo.
Reportagem da TV Amadora

Espinho 2012 - LA DIVINA COMÉDIA

Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública em Concerto no Centro Multimeios de Espinho, organizado pelo Centro Social de Paramos em 4 de Fevereiro 2012.
Ver nos links abaixo.
LA DIVINA COMÉDIA - Robert W. Smith (1958)

Ensemble de Saxofones

Ensemble de Saxofones da Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública no Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa).
Ver nos links abaixo.
Serenade Op. 44 - Anton Dvorák - Mov. 1
Back Beat Boogie

" Xutos e pontapés " Banda da PSP & GNR

Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública com a Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana na Aula Magna (Lisboa)no Concerto de Natal de 2008.
Ver nos links abaixo.
Xutos e pontapés - Arranjos Luis Cardoso

A Banda em Bragança em 2010

Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública no Concerto de Gala pelo 134º aniversário do Comando Distrital da PSP de Bragança em Julho de 2010.
Ver nos links abaixo.
Reportagem - Localvisão TV

Banda Sinfónica da PSP


Historial



A Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública, como grupo orgânico da PSP, assume a sua origem histórica no processo de criação de um corpo policial em Portugal. Se o primeiro corpo de agentes policiais foi criado por D. Fernando I, os chamados “Quadrilheiros”, nos idos anos de 1383, no que diz espeito à origem da Banda Sinfónica da PSP, contaremos mais quatro séculos e meio, para o seu aparecimento. No decurso histórico da instituição policial, numa tentativa de resposta à necessária manutenção da ordem e da paz pública, muitas são as “Resoluções e Leis” que criam, extinguem e sobrepõem organismos policiais. É com Pina Manique, que a Intendência Geral de Polícia alcança o reconhecimento público das suas acções no combate ao crime, sendo que, em resultado da reorganização dos serviços, é fundada em 25 de Dezembro 1801 a Guarda Real de Polícia, instituição que vai albergar no seu efectivo a Primeira Banda de carácter militar em Portugal. A partir desta data, muitas são as instituições militares que tomam como seu, o modelo da Banda da Guarda Real de Polícia. Como refere Albino Lapa, “foi a primeira organização militar armada que existiu para manter a segurança pública… Dada a grandeza que usufruía não podia por isso deixar de ter uma Banda de Música… que tinha a sua sede na Costa do Castelo”, fica então claro que este modelo surge num contexto policial de manutenção de paz e ordem pública, razão pela qual a Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública arroga os pergaminhos históricos da Banda da Guarda Real de Polícia. Com o decorrer dos anos, fruto de políticas e conveniências próprias das épocas, as forças policiais vão sofrendo alterações na sua organização: extinguindo-se umas, criando-se outras, sobrepondo-se até. Percorrendo o caminho do tempo, assistimos à criação e extinção, da Guarda Nacional (1823, associada aos Liberais), da Guarda Municipal do Porto e de Lisboa, (1834, última força a render-se às mãos dos Republicanos) e somos chegados ao Corpo de Polícia Civil, criado pelo Rei D. Luís, em 2 de Julho de 1867, instituição que lança as bases para a criação da actual Polícia de Segurança Pública. Neste emaranhado de instituições policiais, paradoxalmente convergentes nos objectivos, a música foi o elemento sempre presente. Por isso, em 1925, o Capitão José Esteves Graça, a prestar serviço na Polícia Cívica de Lisboa, assume a regência de um grupo de músicos desta instituição formando assim a Banda de Música do Corpo de Polícia Cívica de Lisboa. Em 1927 a Polícia Cívica de Lisboa adota a designação de Polícia de Segurança Pública, continuando, desde sempre, a Banda a fazer parte da sua orgânica. Entre 1927 e 1950 sob a chefia do Capitão Armando Fernandes a Banda desenvolve o seu nível artístico ao ponto de obter o primeiro prémio no concurso de marchas militares, realizado em 1936 pela Emissora Nacional de Radiodifusão. No período que vai de 1959 a 1969, cabe ao Alferes Álvaro Sousa a condução melódica da obra artística, sendo sucedido nesse desígnio pelo Capitão Pinto Rodrigues que se mantem em funções até que, em 1979, o Major Silvério Campos assume o comando, naquela que será a nova fase histórica, artística e institucional da Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública. A 28 de Abril de 1981 na lavra do Dec. Lei 88/81 é constituída oficialmente a Banda Sinfónica da PSP, sendo posteriormente definidas as normas de execução permanente em NEP publicada na OS nº 129 (I Parte) de 10 de Agosto 1982. Com o carácter sinfónico a Banda trilha os caminhos do reconhecimento institucional, afirmado pelas referências elogiosas outorgadas pelo Comandante Geral General Monteiro Pereira, em 07/07/1994 e por Sua Exª. Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio, em 29/11/1996, bem como pelos Louvores atribuídos pelo, Comandante Geral da PSP em 18/12/1995, em 18/12/1996 e pelo Comandante do DAG em 10/01/2013 e do sucesso artístico atuando nos mais distintos palcos, no país e no estrangeiro. Aquando das comemorações do 128º aniversário da Cruz Vermelha Internacional é agraciada com o diploma e medalha de agradecimento pela “Espontânea e Valiosa Cooperação“ prestada a esta instituição. É também “Benemérita de Honra da Ordem Hospitaleira em Portugal e das Celebrações Culturais do V Centenário do Nascimento de S. João de Deus”. Internacionalmente representou o país e a Polícia de Segurança Pública em 1997, no “7º Festival Internacional de Bandas” em Saumur, França e em 2000, participa a convite no “5º Festival Internacional de Bandas” realizado em Saint-Étienne, atuando para um grupo de melómanos que enchia o teatro Massenet. A Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública, jovem no carácter e madura nos pergaminhos, relevando a sua origem histórica, reflectiu sempre uma posição de vanguarda nos movimentos artísticos portugueses. A sua interacção com a sociedade e com a academia, levou-a a ser pioneira em muitas das actividades levadas a cabo ao longo da sua história, nessa medida, foi pioneira na gravação regular de suportes áudio para editoras nacionais e estrangeiras, na realização de concertos com a participação de concertistas de renome (nacionais e internacionais), no convite a maestros, reconhecidos nacional e internacionalmente, para a dirigirem em concerto, colaborando com academias e universidades na realização actividades de formação em direcção de banda, na coadjuvação de alunos dos cursos de direcção de banda participando nas defesa das suas teses, no convite a jovens compositores para escreverem para banda, na colaboração com músicos e artistas dos mais diversos géneros musicais, que vão do fado ao rock passando pelo jazz. Assume como ponto alto destas colaborações o espectáculo realizado em 2005 no Teatro Olga Cadaval, em Sintra, onde acompanhou em concerto Maria João e Mário Laginha e a colaboração com a Associação Portuguesa de Saxofone, no primeiro congresso deste instrumento, em que a teve o privilégio de acompanhar os quatro maiores nomes do Saxofone mundial, Claude Delangle, Mário Marzi, Henk van Twillert e o quarteto Saxofínia. Em Julho de 2012 realiza pela primeira vez, a nível mundial, a “I Semana Académica” Master-Classe em Direcção e Performance, acção que permite que alunos das escolas de ensino artístico trabalhem ao mais alto nível, inseridos num agrupamento musical profissional, apresentando-se no final em concerto público. Precingida de uma atmosfera de condicionalismos impostos pelas realidades em que está inserida, a Banda Sinfónica da PSP, conta com um quadro de músicos de elevada formação artística, académica e profissional, coordenados pelo actual Chefe em Exercício e Director Artístico Comissário Ferreira Brito, para continuar a servir a Polícia de Segurança Pública e Portugal.